sábado, 20 de outubro de 2012

Evangelização: ordem de Jesus

"Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler. Então, lhe deram o livro do profeta Isaías, e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito: O espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da  vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor." (Lucas 4:16-19)

 A evangelização, sem dúvida, é a principal função da igreja do Senhor Jesus. Não podemos perder esse foco.                                                                                  Lamentavelmente, no entanto, notamos que muitas igrejas já se desviaram da sua principal missão vez que estabeleceram como meta outras atividades, até mesmo nobres, porém, divorciadas do sublime propósito estabelecido por Jesus para a sua igreja. Jesus enfatizou a necessidade da evangelização quando viu uma grande multidão e compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor. Contextualizando, vejamos o quanto se faz necessária a evangelização nos dias de hoje. Somos uma população infinitamente maior do que nos tempos de Jesus. Essa população, também, está vagando sem rumo, sem pastor. E, como ovelhas que vagam, sem rumo definido, certamente estão sedentas. Jesus enviou a igreja à evangelização conforme registrado por Lucas: "Então, regressaram os setenta, possuídos de alegria dizendo: Senhor, os próprios demônios nos submetem pelo teu nome."(Lucas 10:17). É a missão dos setenta, enviados de dois em dois, de casa em casa, a algumas cidades.É bem verdade que os tempos mudaram e, se não for possível sair de dois em dois, de casa em casa, que o façamos de outra maneira. Utilizemos outras métodos, desde que cumpramos a ordem de Jesus. Na verdade, evangelização é uma "missão". O exemplo de Jesus neste aspecto é maravilhoso. Ele foi tomado de grande compaixão, pelo que levou às ovelhas sem pastor a libertação, o perdão,  a nova vida,  o novo direcionamento e a segurança. O anúncio das Boas Novas foi parte integrante do ministério de Jesus e deve fazer parte do ministério da igreja. E a igreja somos nós. Somos templos do Espírito Santo; habitação do Senhor; capacitados para tão grandiosa obra. Cumpramos, pois, o "Ide de Jesus". Com amor fraterno. Pb. Hely.