sábado, 8 de outubro de 2016

Sua família vai bem?


Resultado de imagem para imagem orando em família

"Decorridos o turno de dias de seus banquetes, chamava Jó a seus filhos e os santificava; levantava-se de madrugada e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles, pois dizia: Talvez tenham pecado os meus filhos e blasfemado contra Deus em seu coração. Assim o fazia Jó continuamente."  (O Livro de Jó, capítulo 1, verso 5)


Quando lemos o livro de JÓ ficamos maravilhados com a capacidade de resistência desse personagem bíblico chamado Jó. Podemos destacar como tema central do livro: Jó, um exemplo de paciência nas aflições.
O primeiro capítulo destaca a virtude de Jó, homem íntegro e reto, temente a Deus e que sempre se desviava do mal. Possuía muitos bens e muitos filhos pelo que denotava ser um homem rico e próspero. Era feliz com seus filhos em constantes banquetes e, por ser um homem temente a Deus, exercitava uma virtude muito rara nos dias de hoje. Ele orava em favor dos seus filhos nas madrugadas e os santificava a Deus. Até que veio as aflições para aferir a sua paciência. Perdeu bens e filhos. A enfermidades se apoderaram do seu corpo e a dor que sentia era muito grande a ponto de num ato de desespero amaldiçoar o dia do seu natalício. "Disse Jó: Pereça o dia em que nasci e anoite em que se disse: Foi concebido um homem!" A história de Jó não termina assim. Depois de exaustivas provações ele recupera tudo que perdera. Nas provações e sofrimentos ele sabia quem era seu Redentor. E mais, ele sabia que seu Redentor vive. Isso está retratado na confissão que fez no capítulo 42 do livro: "Então, respondeu Jó ao Senhor: Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado." Deus, por sua vez mudou a sorte de Jó, quando este orava pelos seus amigos; e o Senhor deu-lhe o dobro de tudo o que antes possuía. Bens, filhos, saúde. Tudo Restaurado. Nova vida. Uma linda história para ser lida, vivida e revivida, porém, o que mais me chamou atenção nesta oportunidade de leitura foi o fato de Jó, antes de todas as provações pelas quais passou, colocar diariamente seus filhos na presença de Deus. Por eles orava de madrugada e os santificava a Deus. Uma atitude rara, repito, para os dias de hoje. É que os pais, na sua grande maioria tem se preocupado com a boa formação dos seus filhos, oportunizando-lhes a melhor educação formal; tem dado aos filhos o melhor em termos de tecnologia e bens de consumo. No entanto, tem negligenciado aquilo que Jó não negligenciou. Poucos tem percebido ou dado conta da importância do preparo espiritual e devocional dos seus filhos. O resultado de tudo isso se revela no descompromisso de grande parte dos filhos com Deus. Deus não tem lugar na vida deles. Prazeres e mais prazeres é o que querem. Por isso pergunto-lhe: como vai sua família? O que você espera da vida espiritual de seus filhos? Em tempos de provações e lutas qual seria a sua conduta. De desespero ou de confiança em Deus? Medite nisso. E que Deus tenha misericórdia de todos nós. Pb.Hely