sábado, 23 de novembro de 2013

O Perigo dos atalhos




Mat 7:13 - 
Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
Certa feita estive viajando pelo interior de Goiás, não muito longe da capital. Na volta resolvi tomar um atalho que dava para uma antiga estrada que passava na porta de um Sítio que conheci ainda criança. Na verdade, me bateu uma saudade dos velhos tempos quando frequentei aquele Sítio. Acontece que a velha estrada que conheci estava desativada em razão da construção de uma nova pista, com novos contornos e novo traçado. Mesmo assim, aventurei rever a porta daquele Sítio enveredando-me por um atalho que, supostamente, me levaria até à velha estrada e, consequentemente, até o lugar sonhado.  Assim, deixei a moderna e ampla estrada e entrei por um apertado corredor mesclado de retalhos de  asfalto, buracos e coisas  típicas de uma rodovia abandonada. De início, estranhei muito a péssima conservação da via, batendo-me grande dúvida se seria aquele o caminho que me levaria ao tão sonhado destino.  Ledo engano, à medida que me embrenhava pelo tortuoso atalho ia percebendo o quanto estava equivocado e incerto quanto ao meu destino. Concluo afirmando que foi decepcionante. Não cheguei ao tão almejado destino e, para retomar o curso anterior, com estrada moderna e ampla, deslizei meu veículo (se é que sobre buracos é possível um veículo deslizar), por quase quarenta minutos, sob um sentimento de cruel arrependimento por ter optado pelo atalho. REFLITAMOS: Certa feita Jesus discorreu  sobre a existência de duas estradas, cf. registro do evangelista Mateus. Disse o Mestre acerca da existência de uma estrada ou caminho estreito, possivelmente parecido com o caminho que trilhei, na história que contei introduzindo esta reflexão. Parecido sob o ponto de vista das dificuldades, apertos e provações, contudo, diferente quanto ao destino final. Na verdade, o discurso de Jesus foi incisivo quanto à proposta apresentada: há um caminho ou porta estreita; entrai por ela. Quando entramos pelo caminho estreito traçado por Jesus não há desapontamentos. Certamente atingiremos o destino final. Na proposta de Jesus, esse caminho conduz-nos à vida. E são poucos os que acertam com ele (o caminho) ou com ela (a porta). Por outro lado, Jesus alerta-nos acerca de uma porta larga ou caminho espaçoso, por onde muitos entram. Este caminho, diferentemente do outro caminho, é muito atrativo. Nele não há aperturas, não há desconforto e, de forma imediata, não oferece desapontamentos. Por isso, muitos optam por ele. É como deslizar-se por uma ampla e confortável rodovia. Cheia de prazeres e contentamentos. Porém, seu termo final é a perdição. Vejo aqui a aparência de um paradoxo: para mim entrar pelo caminho estreito, tortuoso e difícil foi decepcionante. Então, como encarar o convite de Jesus para entrar pelo caminho estreito? Um pequeno detalhe nos parece razoável. É que na história que contei afirmei categoricamente que "resolvi tomar um atalho". Aí é que mora o perigo! Quando optamos por trilhar atalhos, com a finalidade de dar os contornos que almejamos ao nosso destino, corremos o sério risco de nos perdermos. É que o nosso bom Deus, Soberano, Onisciente e Onipresente, não nos permite atalhos. Ele, no Seu sábio conselho não trabalha com atalhos. Muitas vezes queremos atingir o alvo ou destino e traçamos o nosso próprio caminho sem observar a vontade de Deus para nossas vidas.  Em assim procedendo, inevitavelmente, nos decepcionaremos logo, logo. É como procurar o atalho deixando o caminho seguro.  Temos de tomar uma decisão. Entremos, pois, pelo Caminho Estreito, sem, contudo, procurar atalhos.  E que Deus tenha misericórdia de todos nós. Pb. Hely