sábado, 22 de setembro de 2012

PERPÉTUO, MAS TRANSITÓRIO.

Pode alguma coisa vitalícia, contínua, perpétua se revestir do caráter da transitoriedade? O inverso é mais comum. Aliás, todos nós conhecemos o dito popular: "Não existe nada mais permanente do que algo provisório". A expressão "PERPÉTUO, MAS PROVISÓRIO", à primeira vista parece uma incógnita, porém, é algo real. Podemos definir os termos da seguinte forma: perpétuo: adjetivo que diz respeito ao que é incessante, contínuo, vitalício. Já o provisório ou transitório diz respeito ao que é de pouca duração, passageiro, efêmero e temporário. Pois bem! Esta semana pude refletir muito sobre esses adjetivos "perpétuo e provisório", quando acompanhei de perto um lamentável drama da vida real na família do Sr. David Nunes. Dona Luzia, sua esposa, partiu para a glória na quarta 19 de setembro, quando acabava de se aposentar. Eram muitos sonhos a serem concretizados à partir da merecida aposentadoria. Mas ao Senhor, aprouve convocá-la para as hostes celestiais.  Sim, ela foi chamada para o rol daqueles que já gozam da presença do Senhor, podendo afirmar que estar com Cristo é incomparavelmente melhor do que estar aqui. A palavra de Deus, no livro de Provérbios diz que " O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do Senhor." Concluimos, portanto, que os desígnios de Deus são eternos e irrevogáveis. Estão acima de qualquer plano humano. Podemos, sim, fazer planos. Contudo, os desígnios do Senhor estão acima de qualquer deles. Observando as lápides dos sepulcros, nota-se que ensejam, ilusoriamente, a idéia do"perpétuo", "do permanente". Quem jaz no túmulo parece colocado ali para toda a eternidade. Vaga ilusão! Nada mais "provisório" do que o "perpétuo dos jazigos". É que, num ressoar da trombeta e sob a ordem de Jesus, os mortos ressurgirão. Lamentável que muitos acalentam em seus corações o desejo frenético de jamais se apartarem das coisas deste mundo, esquecendo-se de que aqui somos "peregrinos" e "forasteiros". Estamos em terra estranha. Nosso lar é lá no céu. Tudo aqui é passageiro, porém, lá, com Cristo, gozaremos a eternidade. O que para nós pode parecer "perpétuo" (o encerramento no túmulo), na verdade, é provisório. Afinal, Cristo venceu a morte e nos garantiu a ressurreição no último dia. Pense nisso!