terça-feira, 13 de dezembro de 2016

O Crepúsculo


O título deste blog sugere a apresentação de Cristo no crepúsculo de uma época quando tudo parece já estar definido, porém, na certeza de que em qualquer  época da nossa vida muito temos a oferecer e a aprender, bastando, para isso, que nos esforcemos para sermos úteis, o que muitos não fazem. Define-se Crepúsculo como sendo uma luminosidade de intensidade crescente ao amanhecer e decrescente ao anoitecer. O "crepúsculo matutino" é proveniente da iluminação das camadas superiores da atmosfera pelo Sol, quando embora escondido, está próximo do horizonte. O crepúsculo matutino acontece com os primeiros raios de sol do dia. Crepúsculo (do termo latino crepusculu) ou lusco-fusco são os instantes em que o céu próximo ao horizonte no poente ou nascente toma uma cor gradiente, entre o azul do dia e o escuro da noite. Normalmente, acontecem no instante em que o Sol, "ao nascer" ou "se pôr", encontra-se escondido porém próximo à linha do horizonte, iluminando as camadas superiores da atmosfera.[1] Em alguns casos, como em regiões montanhosas, o crepúsculo pode ocorrer antes do pôr do sol ou depois do nascer do astro. No crespúsculo, os navegadores conferem sua posição estimada, comparando a abertura esperada em graus com a observada do horizonte ao astro. Pois bem! Definições à parte, lembremos que estamos no crepúsculo decrescente do ano de 2016. Certamente, ao iniciar o ano, todos sentiram o frescor da manhã com suas luzes de intensa e crescente luminosidade, quanto, então, puderam fazer planos, promessas e até votos de serem pessoas mais educadas, generosas, prestativas, atenciosas e cuidadosas para com os idosos. Muitas pessoas prometeram considerar mais o irmão, o amigo, o companheiro. Muitos ainda juraram fidelidade e prometeram caminhar juntos em busca de um mesmo objetivo. Porém, ao findar o ano e já vislumbrando o alvorecer de um novo período, necessariamente temos que fazer um balanço daquilo que prometemos e daquilo que não cumprimos. Talvez deixamos de amar mais  o nosso próximo; isolamos o companheiro pelo simples fato de ser ele diferente nas suas posições, por pensar diferente de nós. Talvez tenhamos deixado de acudir o aflito e necessitado; talvez tenhamos negado o colo para o filho que chora; e, ainda, faltado a devida atenção para com os idosos.  O tempo é hoje! Que a luz resplandecente de um novo ano reabra para você e para mim a oportunidade de reavaliarmos a vida não pelo que temos mas pelo que somos. Que traga em nossos corações a esperança de dias melhores na presença de Jesus. E Que Deus tenha misericórdia de nós. Pb. Hely